SOTEPP –

Interdisciplinaridade em sociedade e ambiente

Disciplina Obrigatória | 60h | 4 créditos


Ementa

Devido à dificuldade inerente aos estudos que envolvem o cruzamento entre temas das ciências naturais e sociais, a disciplina propõe estudos de problemas em comum, a partir dos quais os docentes deverão trazer suas contribuições. Trata-se de um processo em que os docentes definirão temas ou objetos de estudo consensuais com escalas de observação aproximadas que articulem as hipóteses de trabalho e os métodos de observação e análise de cada docente e de suas áreas de conhecimento, visando um resultado final multi e interdisciplinar.


Referências

ALVARENGA, A. T. de, et al. Histórico, fundamentos filosóficos e teórico-metodológicos da interdisciplinaridade. In: Arlindo Philippi Jr. e Antônio J. Silva Neto (editores). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri, SP: Manole, 2011. p. 3-68.

ALVIM, R.G.; BADIRU, A. I.; MARQUES, J. Ecologia Humana uma visão global. Feira de Santana: Editora UEFS, 2014.

DEL PRIORE, M.  e VENÂNCIO, R. Uma história da vida rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

FAZENDA, I.O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2009.

GRÜN, M. Ética e educação ambiental. Campinas: Papirus, 2006.

JAMESON, F. A. Virada Cultural – reflexões sobre o pós-moderno. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2006.

JAPIASSU, H. A crise das ciências humanas. São Paulo: Cortez, 2012.

JUPIASSU, H. “O espírito interdisciplinar”. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro , v. 4, n. 3, Oct. 2006 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512006000300006&lng=en&nrm=iso>. access on  30  Jan.  2015.  http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512006000300006.

MADURO-ABREU, A, NASCIMENTO, D.T., MACHADO, L.O.R. e COSTA, H.A. Os limites da Pegada Ecológica. In: Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 19, p. 73-87, jan./jun. 2009. Editora UFPR.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Editora Sulina., 2006.

MURARI, L. Natureza e cultura no Brasil (1870-1922). São Paulo: Alameda, 2009.

PAUL, Patrick. Pensamento complexo e interdisciplinaridade: abertura para a mudança de paradigma? In: Arlindo Philippi Jr. e Antônio J. Silva Neto (editores). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri, SP:Manole, 2011. p. 229-259.

PENA-VEGA, Alfredo. Complexidade e interdisciplinaridade: realidades e experiências de pesquisa. “In: Arlindo Philippi Jr. e Antônio J. Silva Neto (editores). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri, SP:Manole, 2011. p. 694-712.

PHILIPPI JR., Arlindo, et al (eds.).  Diretrizes, critérios e processos de avaliação da Pós-Graduação Interdisciplinar. In: Arlindo Philippi Jr. e Antônio J. Silva Neto (editores). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri, SP:Manole, 2011. p. 918-960.

SOMMERMAN, A. Inter ou Transdisciplinaridade? Da fragmentação disciplinar ao novo diálogo entre os saberes. São Paulo: Paulus, 2006.

STRUMINSKI, E. “Os discursos sobre a sustentabilidade, no Brasil e na Região Metropolitana de Curitiba, de 1500 aos dias atuais. Curitiba”, 2006: (Tese Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006.

THIESEN, J. da S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, v. 13, n. 39, 545-598, 2008.

Topo