SOTEPP –

Avaliação de Impacto Ambiental

Disciplina eletiva | 45h | 3 créditos


Ementa

O objetivo da disciplina é trabalhar os conceitos e ferramentas metodológicas da Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) em uma abordagem aplicada por meio de Estudo de Impacto Ambiental (EIA), Avaliação de Risco e Avaliação Ambiental Estratégica. Para tanto, serão abordados conceitos e definições da AIA, além do seu quadro legal e institucional, os objetivos, os estudos de base e as etapas do planejamento e elaboração de estudos de impacto ambiental. Objetiva-se debater: 1) a implementação da AIA no Brasil e em outros países; 2) o licenciamento ambiental e a implementação do zoneamento ecológico-econômico como política ambiental; 3) as etapas e os critérios metodológicos da AIA; 4) o princípio da precaução e a AIA; 5) a participação pública como ferramenta de mais accountability no processo decisório; 6) os serviços ambientais e ecossistêmicos e a AIA; 7) análise de programas ambientais e de monitoramento de impacto ambiental. Serão trabalhados casos de Estudos de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) em aulas práticas.


Referências

BARBOSA, E. M.; BARATA, M. M. L.; HACON, S. S. “A saúde no licenciamento ambiental: uma proposta metodológica para a avaliação dos impactos da indústria de petróleo e gás.” Ciência & Saúde Coletiva, vol 17, n.2, p.299-310, 2012.

BELLEN, H. M. van. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

GODECKE, M. V.; HUPFFER, H. M.; CHAVES, I. A. “O futuro dos Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil a partir do novo Código Florestal”. Desenvolv. Meio Ambiente, v. 31, p. 31-42, ago. 2014.

MONTAÑO, M.; RANIERI, V. E. L. Análise de viabilidade ambiental. In: CALIJURI, MC; CUNHA, DGF. Engenharia Ambiental: conceitos, tecnologia e gestão. S. l.: Elsevier, 2011.

MORAN, E. F; OSTROM, E. (Org). Ecossistemas Florestais: interação homem-ambiente. São Paulo: Editora Senac: Edusp, 2009.

OWEN, J. R; KEMP, D. “Social licence and mining: A critical perspective”. Resources Policy, v.38, p.29-35, 2013.

PELLIN, A.; LEMOS, C. C.; TACHARD, A.; OLIVEIRA, I. S. D.; SOUZA, M. P. “Avaliação Ambiental Estratégica no Brasil: considerações a respeito do papel das agências multilaterais de desenvolvimento”. Eng Sanit Ambient, v.16 n.1, p. 27-36, jan/mar 2011.

PRNO, J; SLOCOMBE, D. S. “Exploring the origins of ‘social license to operate’ in the mining sector: Perspectives from governance and sustainability theories”. Resources Policy, v. 37, p.346–357, 2012.

RODRIGUES, D. F. A política brasileira de mudanças climáticas: competição, cooperação e diversidade institucional. 01. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2014. v. 01. 266p.

_________________. ; SILVA JUNIOR, J. A. ; SILVA, D. ; LIMA, T. T. C. “A Sustentável Leveza da Democracia? os efeitos da qualidade democrática sobre o desempenho ambiental”. Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR), v. 33, p. 81-99, 2015.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. Editora Oficina de textos, 2006.

SOUZA, M. M.; GASTALDINI, M. C. C. “Avaliação da qualidade da água em bacias hidrográficas com diferentes impactos antrópicos”. Eng Sanit Ambient, v.19, n.3, p.263-274 jul/set, 2014.

TRAJANO, E. “Políticas de conservação e critérios ambientais: princípios, conceitos e protocolos. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p.299 – 310, 2010.


Filmografia

MARMATO. Direção: Mark Grieco, Produção: Mark Grieco. Colômbia/Estados Unidos: Calle Films. 87 minutos. 2014.


Topo